Julgamento do prefeito Valdeto Ferreira, marcado para essa quinta-feira, tem gostinho de "juízo final"

Aliados do atual prefeito temem que, a cassação da chapa que elegeu Valdeto Ferreira e Celino Correa, possa revelar delitos cometidos nesta administração ainda mais estarrecedores do que os que já têm conduzido o prefeito a uma iminente condenação

Por Semaías Pereira 01/02/2018 - 18:01 hs
Julgamento do prefeito Valdeto Ferreira, marcado para essa quinta-feira, tem gostinho de "juízo final"
Julgamento do prefeito Valdeto Ferreira, está marcado para essa quinta-feira

O município de Niquelândia-Goiás, situado na região norte do estado, e localizado a cerca de 300 km, da capital, está tomado pelo sentimento de nostalgia em relação a administração do prefeito Valdeto Ferreira

 

Lideres dos mais variados setores da comunidade, afirmam que o atual gestor do município, com seus quatorze meses à frente da prefeitura, conseguiu marcar seu nome, como o pior prefeito, desde a emancipação politica da cidade, a mais de dois séculos. Há ainda os que acreditam em um circulo de maldição que acompanham a administração de Valdeto Ferreira Rodrigues. Desde sua primeira administração politica à frente do município na década de 1990, a cidade não conseguiu em tempo algum, ter um administrador que se firmasse no cargo de prefeito, para o período para o qual fora eleito. 

 

A crendice popular, baseia-se ainda na ideia de que o gestor do município, seja infiel em suas alianças. Alçado ao poder, graças à benção do ex-prefeito e delegado aposentado, Dr. Luiz Teixeira, tão logo fora eleito, Valdeto, cuidou em romper os laços políticos com o homem que lhe deu nome e reconhecimento público. 

 

Graças a sua infidelidade politica com os principais aliados que o conduziram ao poder na década de 1990, é que Valdeto Ferreira, amargou um ostracismo politico por mais de vinte anos

 

O desgaste público dos principais postulantes, ao cargo de prefeito, e a não renovação do quadro de novos lideres dentro do processo democrático, foram fatores determinantes para que o então candidato “ficha-suja” fosse eleito para seu segundo mandato, vinte anos depois. Aliados do atual gestor público municipal de Niquelândia, afirmam que sua pré-disposição em lotear setores estratégicos da prefeitura, bem como a suavidade de suas infindáveis promessas foram determinantes para sua vitoriosa campanha nas eleições de 2016.

 

O que seria motivo de alegria para os mais de dez mil eleitores que caíram no ledo engano e promessas vazias do prefeito eleito de Niquelândia, em poucos dias tornou-se motivo de cântico triste para toda a população.

 

As principais vítimas do desmantelamento, da coisa pública pelo prefeito, foram os servidores da prefeitura, principalmente os da educação e saúde

 

Segundo informações coletadas pela nossa reportagem, alguns servidores estão sem salários desde o mês de outubro do ano passado, e a grande maioria aguardam com ansiedade, alguma manifestação por parte do prefeito, também sobre a questão do décimo terceiro salário, que ainda não foram pagos. 

 

Alguns dos munícipes mais decanos da cidade, afirmam que nunca se viu, na capital do níquel, um clima de tamanha desolação politica e financeira como a gerada pela administração de Valdeto Ferreira.

 

Uma das maiores empresas do município, responsável pela geração de quase três mil empregos, diretos e indiretos, a Votorantim Metais, agora Companhia Brasileira do Alumínio (CBA) fechou as portas na gestão do atual prefeito, e desde que assumiu o comando do município, nem de longe se viu esforço público para se trazer para Niquelândia, se quer uma fabrica de sabão ou vassouras. 

 

PROCESSO NO SUPERIOR TRIBUNAL ELEITORAL (TSE)


Implacável e com sintomas de revolta com o atual prefeito, a comunidade aguarda ansiosa o desfecho do julgamento, que iniciou no último mês do ano passado, onde pelo menos seis dos sete ministros da suprema corte eleitoral, votaram pela cassação da chapa que elegeu Celino Correa e Valdeto Ferreira. Graças a um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes, a decisão final ficou marcada para hora oportuna, e encontra-se em pauta para ser julgado, nessa quinta-feira, 01 de fevereiro de 2018.

 

O prefeito “mãos-sujas”, codinome que a população atribui a Valdeto Ferreira, está sendo julgado pelos crimes praticados no período de seu primeiro mandato como prefeito.

 

O suposto desvio de verbas na área da educação, praticados pelo gestor do município, quando de sua primeira administração, a mais de duas décadas, estão lhe custando hoje um severo castigo e punição legal, que pode ser também um alivio para a cidade insatisfeita com um estilo nada republicano de se fazer governo. 

 

Falando com exclusividade à nossa reportagem, membros da equipe do atual prefeito de Niquelândia, temem que, a cassação da chapa que elegeu Valdeto Ferreira e Celino Correa, possa revelar, delitos cometidos nesta administração ainda mais estarrecedores do que os que já tem conduzido o prefeito a uma iminente condenação

 

DEVOTO DE TODOS OS SANTOS E SEGUIDOR DE CRENDICES POPULARES 

Pessoas próximas ao prefeito, afirmam que o mesmo tem se apegado a todo tipo de rezas e orações, e com zelo tem se aproximado dos chamados profetas, do seguimento pentecostal, e ainda tem sido fiel com seus votos e promessas à senhora Aparecida, de quem é devoto e seguidor contumaz. 

 

Como pecador já condenado em sua própria consciência, pelo rigoroso castigo do juízo final, mas que alimenta sua esperança em ser absolvido do castigo eterno, graças ao seu apego a crendices populares, assim tem o prefeito Valdeto Ferreira se apegado a todos os santos, na esperança de continuar ditando os passos da politica niquelandense a ferro e fogo. 

 

Semaías Pereira, é, pastor evangélico, escritor, presidente do conselho de pastores e líderes evangélicos na cidade de Niquelândia, e estado de Goiás (COPLEN e COPLEGO); atual presidente do Conselho de pastores e líderes evangélicos do Brasil (COPLEB); formando em Direito, escritor e presidente do PSL – Niquelândia.