PM que matou ex-namorada será expulso da corporação, afirma comandante

Policial militar é acusado de feminicídio e de tentar matar um homem. Ele está detido desde sexta-feira (4/5), dia dos crimes, quando se entregou à polícia

08/05/2018 - 01:49 hs
Foto: (Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
PM que matou ex-namorada será expulso da corporação, afirma comandante
Comoção em frente à casa onde Jessyka morava no dia do crime

O comandante da Polícia Militar, coronel Marcos Antônio Nunes, garantiu que o militar Ronan Menezes do Rego, 27 anos, será expulso da corporação. Ele é acusado de matar a ex-namorada, Jessyka Layanara da Silva, 25, com cinco tiros, na sexta-feira (4/5), na casa onde ela vivia com a família, no Setor O, em Ceilândia.

Após o crime, o policial foi até uma academia na região, onde disparou três vezes contra o instrutor Pedro Henrique da Silva Torres, 29. De acordo com familiares, o professor continua internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional de Ceilandia (HRC), consciente e estável. 

"Ele (Ronan) foi preso e teve o porte de arma cassado. Com certeza será condenado e expulso da Polícia Militar. Estamos muito tristes que isso tenha acontecido", disse o coronel Marcos Antônio Nunes, durante coletiva de imprensa sobre o balanço da criminalidade no DF. 

O comandante da PM afirmou ainda que, ao ser comprovada essa conduta por parte de um policial, é aberto processo para a averiguação dos fatos. "Abrimos um processo apuratório. Se for identificado algum problema mental ou psicológico, tudo é encaminhado aos médicos e psicólogos da corporação", afirma.

Indagado sobre se a corporação sabia da violência que Jessyka sofreu antes de ser morta, o coronel esclareceu que "o inquérito foi aberto sobre a situação e ele trará a solução sobre o caso". Com conteúdo do Correio Brasiliense).