Adolescentes são condenados a três anos de internação pela morte de advogada durante tentativa de assalto, em Goiânia

Os menores já estavam detidos preventivamente. Laís Fernanda Araújo Silva, de 30 anos, foi morta a tiro dentro do carro no setor Alto da Glória

23/06/2018 - 00:36 hs
Foto: (Facebook/Reprodução)
Adolescentes são condenados a três anos de internação pela morte de advogada durante tentativa de assalto, em Goiânia
Laís Fernanda Araújo Silva foi morta enquanto tentava estacionar carro, em Goiânia

Dois adolescentes de 14 e 16 anos foram condenados a três anos de internação pela morte da advogada Laís Fernanda Araújo Silva, de 30 anos, durante tentativa de roubar o carro dela. A sentença foi dada nesta quarta-feira (20) pelo Juizado da Infância e Juventude de Goiânia. A vítima foi morta a tiro dentro do carro no setor Alto da Glória da capital.

A sentença prevê que a medida socioeducativa seja aplicada aos dois adolescentes pelos atos infracionais análogos aos crimes de associação criminosa, latrocínio (que é o roubo seguido de morte) e porte ilegal de arma de fogo. Os menores devem ter a pena reavaliada a cada seis meses.

Além dos adolescentes, uma mulher e um homem também foram presos suspeitos de participar do crime. Segundo as investigações da Polícia Civil, Luziane Ramos de Sousa estaria no banco do passageiro enquanto Leandro Antonelle Vicente da Silva, de 38 anos, seria o motorista do carro que deu fuga para os menores.

Homicídio

A advogada foi morta no último dia 10 de maio. Para a Polícia Civil, Laís foi vítima de quadrilha de roubo de carro chefiada por presidiário.

Imagens de câmeras de segurança mostraram a vítima momentos antes de ser assassinada e quando os autores entraram em um carro após os tiros.

Segundo a polícia, Leandro era o responsável por dirigir o carro nas ações do grupo. "No dia do crime, ele buscou os outros três comparsas no setor Balneário Meia Ponte. Foram praticar o roubo e depois os deixou no setor", explicou o delegado Valdemir Pereira, responsável pelo caso.

O adolescente de 14 anos apreendido por envolvimento no crime contou à Polícia Militar que atirou na vítima durante a abordagem.

“Estava dando uma volta para ver se achávamos uma vítima. Vimos o carro dela, pensamos que tinha uma mulher e um homem. Eu passei do lado dela, e ela continuou mexendo no celular. Voltamos e eu já enquadrei ela, peguei a maçaneta, abri a porta, ela assustou e eu efetuei o disparo”, disse.

Os suspeitos devem responder por associação criminosa e latrocínio. Somadas, as penas podem chegar a 36 anos de prisão. Leandro já tinha antecedentes criminais por furto e receptação. (Com conteúdo do G1).