Michael Jackson foi "quimicamente castrado" pelo falecido pai, afirma o Dr. Conrad Murray

Médico envolvido na morte do astro disse que Joe Jackson castrou quimicamente Michael para manter sua voz estridente

12/07/2018 - 01:14 hs
Foto: (reprodução)
Michael Jackson foi
Michael Jackson e Joseph Jackson

Após a morte de Joe Jackson, no último dia 27 de junho, o controverso médico de Michael Jackson, Conrad Murray, fez declarações bombásticas sobre o relacionamento entre pai e filho em vídeo obtido pelo portal The Blast. A informação é da People.

Murray, que foi condenado por homicídio involuntário e cumpriu dois anos de prisão por administrar uma overdose de propofol ao falecido rei do pop em junho de 2009, chamou Joe, de 89 anos, de "um dos piores pais da história".

"A crueldade expressada por Michael que ele havia vivido nas mãos de seu pai, particularmente o mau tratamento e, além disso, o fato de que ele foi castrado quimicamente para manter sua voz estridente, está além das palavras”, disse Murray.

Procurados pela People, Murray, assim como os representantes da família Jackson não se manifestaram. Esta não é a primeira vez que Murray faz alegações sobre Michael ser "castrado quimicamente".

O ex-cardiologista já compartilhou afirmações semelhantes em seu livro de 2016, “This Is It! A vida secreta do Dr. Conrad Murray e Michael Jackson”, acusando Joe de forçar Michael a tomar injeções de hormônio aos 12 anos para curar sua acne e impedir que sua voz mudass: "Espero que Joe Jackson encontre a redenção no inferno", disse Murray no vídeo do The Blast, dias depois de Joe morrer de câncer no pâncreas em 27/6 aos 89 anos.

“Queremos agradecer a todos pelo apoio que nos mostraram quando nos entristecemos pelo patriarca de nossa família. Nós lamentamos a perda de nosso pai e celebramos a vida de um homem que se sacrificou tanto para nos dar a vida e o sucesso que temos hoje. Obrigado por respeitar nossa privacidade durante este tempo”, disse a família Jackson em um comunicado.Em outubro de 2013, Murray foi libertado da prisão dois anos depois de ter sido condenado em 2011. Sua licença para praticar medicina também foi suspensa em três estados.

Anos antes de sua morte, Michael falou sobre os problemas que enfrentou com Joe em 2003, no documentário de Martin Bashir, “Vivendo com Michael Jackson”. Questionado por Rabi Shmuley Boteach quantas vezes foi surrado por Joe, Michael disse: "Demais".

"Era mais do que apenas um cinto - cordas, o que quer que estivesse por perto", Michael lembrou, detalhando o "forte ódio" que sentia em relação ao pai durante as surras. “[Ele] jogaria você contra a parede o mais forte que pudesse. E perderia a paciência. ... eu era tão rápido que ele não conseguia me pegar. Mas quando ele me pegava? Era ruim, muito ruim”.

Michael também contou a Boteach sobre como Joe “era muito físico” durante toda a sua infância. "Ele jogaria e bateria em você o mais forte que pudesse", disse a estrela.