Sexo, autoestima e saúde da mulher estão intimamente ligados

Especialista fala sobre os benefícios de ter uma vida sexual ativa e satisfatória

25/05/2017 - 00:15 hs
Foto: (Ilustração: Willian Santiago)
Sexo, autoestima e saúde da mulher estão intimamente ligados
Moderação e prazer tornam as relações sexuais mais seguras e benéficas

Por fatores físicos ou emocionais, a verdade nua e crua é que sexo, desejo e prazer nem sempre andam juntos — especialmente entre as mulheres. De acordo com uma pesquisa realizada este ano pela Universidade de Kansas, nos Estados Unidos, oito em cada dez integrantes da ala feminina fingem excitação na hora agá. E nem pense que essa é uma realidade distante das brasileiras, viu?

Com base em dados de 2 mil pessoas de 57 a 85 anos, um levantamento da Universidade Estadual do Michigan, nos Estados Unidos, chegou a uma conclusão positiva apenas para um lado do casal.

Os homens que relataram ter relações sexuais no mínimo uma vez por semana eram quase duas vezes mais propensos a sofrer um piripaque cardiovascular quando comparados aos menos ativos. Já entre as mulheres o resultado foi bem diferente. Desde que prazeroso, o sexo esteve associado a ganhos à saúde independentemente da frequência.

Até existem hipóteses para explicar os achados: os homens mais velhos teriam dificuldade de chegar ao orgasmo, e o esforço sobrecarregaria a pressão e o peito. A descoberta, porém, não significa que sexo faz mal. “Com moderação, ele traz benefícios a todos e ajuda a conter os fatores de risco cardiovascular”, atesta a autora do estudo, Hui Liu.