Caso Fifa: Globo é acusada de pagar propina e se defende

Empresário argentino Alejandro Burzaco citou Globo e outras emissoras em julgamento de ex-dirigentes, incluindo José Maria Marin, em Nova York

14/11/2017 - 19:29 hs
Foto: (Don Emmert/AFP)
Caso Fifa: Globo é acusada de pagar propina e se defende
Argentino Alejandro Burzaco (ao centro) deixa tribunal após depoimento, em Nova York

O empresário argentino Alejandro Burzaco, uma das testemunhas chamadas por promotores dos Estados Unidos para participar do julgamento de ex-dirigentes de futebol acusados de corrupção no escândalo da Fifa, afirmou nesta terça-feira que emissoras de diversos países, incluindo a TV Globo, pagaram propinas para assegurar direitos de transmissão de partidas.

Burzaco era chefe da empresa argentina Torneos y Competencias (TyC Sports), uma das empresas envolvidas no escândalo. Ele admitiu ter cometido crimes e fechou um acordo de colaboração com a Justiça americana. Nesta terça, Burzaco citou as emissoras Globo (Brasil), Fox Sports (EUA), Grupo Televisa (México) e Media Pro (Espanha) e duas empresas de intermediação, a brasileira Traffic e a argentina Full Play, como pagadoras de propina a dirigentes, durante interrogatório na Corte do Brooklyn, em Nova York.

O depoimento foi feito no segundo dia do julgamento de José Maria Marin, ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), de Juan Ángel Napout, ex-presidente da Conmebol e da federação de futebol do Paraguai e de Manuel Burga, ex-presidente da federação peruana.

Globo desmente

A emissora carioca rapidamente enviou um comunicado no qual garante não ter participado de nenhum pagamento de propina no escândalo. A Globo também se pôs à disposição da Justiça americana para esclarecer as denúncias de Burzaco.

Sobre depoimento ocorrido em Nova York, no julgamento do caso Fifa pela Justiça dos Estados Unidos, o Grupo Globo afirma veementemente que não pratica nem tolera qualquer pagamento de propina. Esclarece que após mais de dois anos de investigação não é parte nos processos que correm na Justiça americana. Em suas amplas investigações internas, apurou que jamais realizou pagamentos que não os previstos nos contratos.

Por outro lado, o Grupo Globo se colocará plenamente à disposição das autoridades americanas para que tudo seja esclarecido. Para a Globo, isso é uma questão de honra. Não seria diferente, mas é fundamental garantir aos leitores, ouvintes e espectadores do Grupo Globo que o noticiário a respeito será divulgado com a transparência que o jornalismo exige. (com agência Reuters).