Em última chance de defesa, advogado de Marin volta a culpar Del Nero por corrupção

Em última chance de defesa, advogado de Marin volta a culpar Del Nero por corrupção

Charles Stillman diz que ex-presidente da CBF "era daqueles reis que não decidem nada", enquanto atual mandatário "fazia as coisas". Jurados começarão vereditos nesta sexta

16/12/2017 - 03:25 hs
Foto: (Foto: Don Emmert/AFP)
Em última chance de defesa, advogado de Marin volta a culpar Del Nero por corrupção
Ex-presidente da CBF, Marin chega ao tribunal em Nova York, nesta quinta, ao lado da esposa

Em sua última chance para convencer os jurados do “Caso Fifa” de que José Maria Marin é inocente, o advogado Charles Stillman apelou novamente ao argumento de que o operador da corrupção no futebol brasileiro era o atual presidente da CBF, Marco Polo Del Nero. A tese foi a principal linha de defesa do ex-dirigente brasileiro durante todo o julgamento em Nova York, nos Estados Unidos, que começou no início de novembro e pode se encerrar nesta semana. Os jurados começarão a decidir a deliberação dos vereditos na manhã desta sexta. A juíza do caso, Pamela K. Chen, é quem decide o tamanho da pena a ser aplicada em caso de condenação.

– O futebol brasileiro é uma monarquia, e o rei era o Marin. Daqueles reis que não decidem nada. Marco Polo era o presidente, que fazia as coisas – afirmou Charles Stillman, advogado de Marin.

A sessão nesta quinta-feira, na Corte do Brooklyn, começou com um atraso de 30 minutos devido a um leve sangramento no nariz do ex-presidente da CBF. Depois de atendimento feito por médicos da corte, a sessão deu início. Marin, o peruano Manuel Burga e o paraguaio Juan Ángel Napout são réus no “Caso Fifa”. Eles são acusados de crimes de corrupção.

Depois de cinco semanas de julgamento, nesta quinta foi a vez de a defesa de Marin apresentar aos jurados suas considerações finais. Ele é acusado de receber US$ 6,55 milhões (R$ 21,5 milhões na cotação atual) em propina além de outros crimes de corrupção.

O advogado Charles Stillman seguiu a mesma linha dos advogados de Napout e Burga ao desqualificar as testemunhas da promotoria, principalmente os empresários José Hawilla e Alejandro Burzaco. Ele também questionou a contundência das evidências apontadas (extratos bancários, e-mails, conversas por telefone, passagens aéreas, bilhetes, fotos, vídeos e transferências bancárias internacionais).

Além de repetir inúmeras vezes para os jurados a idade de José Maria Marin (85 anos), Stillman pediu para que o brasileiro se levantasse da cadeira e se apresentasse ao público. Marin foi o único réu a fazer tal apresentação durante todo o processo de julgamento.

Em sua apresentação, Charles Stillman utilizou de documentos apresentados pelos promotores para tentar provar que, no Brasil, Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero eram os agentes corruptos no futebol do país. Na dimensão da Conmebol, a defesa de Marin apontou a trinca Julio Grondona (ex-presidente da AFA, morto em 2014), Nicolás Leoz (ex-presidente da Conmebol, que cumpre prisão domiciliar) e novamente Ricardo Teixeira como culpados no futebol sul-americano.

Trechos dos depoimentos das testemunhas também foram revisitados pela defesa de Marin para apontar que Marco Polo Del Nero era o operador da corrupção na CBF.

– Alejandro Burzaco disse aqui para nós que o futebol brasileiro é uma monarquia. Sim! Marin era o rei, daqueles que não mandam em nada. E Marco Polo, o presidente, que decide as coisas – disse o advogado de José Maria Marin.

Stillman também abordou as acusações referentes à conta da empresa Firelli Limited em nome de seu cliente e afirmou que nenhum documento comprova qualquer irregularidade na conta. Citou também que “não é estranho abrir uma conta no exterior por ser mais conveniente nas viagens e além do mais, a economia brasileira está em colapso”. Também disse voltou a dizer que Marin é um homem rico antes de ser presidente da CBF, tem um apartamento em Nova York e por isso seria normal que fizesse muitas viagens e compras caras, como mostram recibos apresentados. (Com informações do Globo Esportes).