RETROSPECTIVA: os fatos que marcaram a política de Niquelândia no ano de 2017

Do histórico desacerto do atual gestor à frente da prefeitura, ao brilhante trabalho do vice Celino Correa, e o jogo de interesses na prefeitura e câmara de vereadores

Por Semaías Pereira 31/12/2017 - 14:20 hs
Foto: (reprodução)
RETROSPECTIVA:  os fatos que marcaram a política de Niquelândia no ano de 2017
RETROSPECTIVA: os fatos que marcaram a política de Niquelândia no ano de 2017

No final de 2016, a mente mais brilhante e o prognóstico político mais preciso jamais poderia prever as mazelas e caos porque passaria comunidade niquelandense em 2017. Eleito prefeito do maior município em extensão territorial do estado de Goiás, Valdeto Ferreira, assumiu a prefeita em 1° de Janeiro, e os olhos e coração de toda a comunidade se voltou para o líder bairrista, que amargava um ostracismo político de mais de duas décadas

Diante do silencio dos bons e disposição dos mais competentes o homem que governou o município de 1993 – 1996 estão de volta ao poder, ressuscitado politicamente, graças a um jogo de inverdades e loteamento da coisa e bens públicos pelo então candidato a prefeito e hoje, principal gestor do município. O ano de 2017 foi um marco na história de vida e carreira política do prefeito Valdeto Ferreira, onde o mesmo foi consagrado, o pior prefeito pelos moradores, graças ao seu mandato 'familiocrata’, sem foco, e incapaz, de solucionar, os mais simples problemas e causas de ordem publica. 

Nessa matéria o portal de notícias primeiraedicao.online, faz uma análise dos principais personagens e acontecimento da política em Niquelândia. 

VALDETO FERREIRA

Em julgamento que pede a cassação da chapa que elegeu Valdeto Ferreira, como prefeito de Niquelândia, o (TSE), dos sete ministros que compõem o Tribunal, seis já votaram contra a permanência do prefeito no cargo.  

Dono de uma política desastrosa e com a folha de pagamento de servidores em atraso, o chefe do executivo niquelandense, é considerado pela maioria da população como o pior prefeito da história do município. Acusado de desviar verbas da educação, quando de seu primeiro mandato como prefeito, Valdeto Ferreira, não se exitou, em colocar ao seu lado na prefeitura municipal, nomes importantes de sua família, além da primeira dama Conceição Veloso, a filha do casal Ana Carolina Veloso, já denunciada no estado do Maranhão, por diversos crimes, é a terceira pessoa na trindade política de Niquelândia, que é formada pelo pai, “mãos e ficha suja”, a primeira dama inelegível por ser também “ficha suja” e a filha denunciada pelo MP maranhense por diversos crimes. 

Pesa ainda contra Valdeto Ferreira, a pressão popular para que o prefeito venha apresentar uma carta de renúncia, e assim aliviar a angustiante situação e crise porque passa o município. 

PAULO HELDER MARTINS 

Um dos nomes mais competentes na vitoriosa campanha eleitoral de Valdeto Ferreira a prefeitura de Niquelândia, e também responsável pelo plano de governo do prefeito, Paulo Helder, foi nomeado chefe de gabinete do prefeito, mas ficou poucos meses frente da pasta. Colocado de lado pelo chefe do executivo, Paulo Helder, foi forçado a apresentar a sua carta de demissão. Um bom niquelandense que foi vitima das mazelas e ações de perseguição do prefeito, que não poupa nem mesmo fieis e aliados de seu grupo. 

PASTOR JOÃO DIAS 

Jovem, político e pastor evangélico, João Dias foi nomeado secretario municipal na área da saúde, com esperanças e promessas que poderiam amenizar os problemas porque passa a saúde pública em Niquelândia, ao longo dos anos. O pastor João Dias, até que se esforçou, mas não conseguiu colocar nos trilhos a saúde publica municipal, foi incapaz de colocar o UPA para funcionar, não inaugurou ou reabriu postos de saúde que estavam fechados, e afora um ou outro mutirão de consultas básicas, feitas em alguns Bairros, trouxe mais burocratização do que soluções à saúde niquelandense. 

Com um serviço tacanho a frente da saúde, o pastor João Dias, foi substituído pela suposta nora do prefeito, a fisioterapeuta Érika Spindola.  E para não ficar desempregado, continua a serviço do prefeito, em função burocrática e sem visibilidade política. 

ANA CAROLINA VELOSO

A jovem Arquiteta e Urbanista, é também a primogênita, ao lado do pai e da mãe, ocupa o terceiro lugar, em toda a administração pública do município de Niquelândia. Responsável pela substituição do pastor João Dias, na área da saúde, e por colocar sua suposta namorada a frente da pasta. Ana Carolina Veloso é também, a dona da senha de importantes secretarias municipais, entre elas a de finanças que olhos de fogo e pulso de ferro, regem a dinheirama do município. Coube também a CARU, como é chamada a filha do prefeito, demitir a ex-secretaria e educação Avelina Sena, e conduzir ao cargo, Rodrigo Cesar Brum Pereira, recém chegado ao município, já caiu nas graças de servidores da educação, enciumado o a filha do prefeito já está de olho em sua substituição. 

Servidora do município de Niquelândia, na gestão do pai, Ana Carolina Veloso, também é denunciada pelo MP do Maranhão por organização criminosa, peculato, falsidade ideológica e falsificação de documentos.

GRACILENE BATISTA

Sem ocupar cargo publico no ano de 2017, a segunda colocada nas eleições do ano passado, Gracilene Batista, deixou profundas lições para a comunidade, ao recusar lotear setores da prefeitura, ou fazer promessas vazias e impossíveis de ser verdade, a então candidata a prefeita, também se recusou a jogar no ventilador, as mazelas políticas, pessoais e de vida publica da oposição. Perdeu as eleições, mas ainda existe a esperança, de que uma possível decisão do (TSE), a conduza ao cargo.

JESUS FERREIRA FRANÇA

Aclamado pela comunidade niquelandense como a voz da oposição, o vereador Jesus Ferreira França, aceitou de primeira mão, ser líder do prefeito Valdeto Ferreira, enfraquecendo assim, a combalida oposição ao prefeito na Câmara Municipal de Vereadores. 

Ganhou novo crédito com a comunidade ao pedir vista do projeto de Lei nº 38, que propõe aumento no IPTU, de até 70 % além, de cobrar o imposto de todos os povoados do município. Graças ao pedido de vista do vereador Jesus Ferreira França, o projeto está parado na casa, contrariando interesses do prefeito. 

Para recuperar sua popularidade e credibilidade o vereador deve deixar a base do prefeito nos próximos dias. 

ERIVALDO MEDANHA (PIQUI)

O nome mais vitorioso da política niquelandense no ano de 2017, graças a um constrangimento jurídico eleitoral, o vereador não teve condições de assumir o mandato, conquistado legitimamente pela força do voto. Mas uma decisão assertiva do Superior Tribunal Eleitoral em Brasília, o vereador que também é autor do projeto de lei que criou a famosa “feirinha”, ponto de encontro, e geração empregos e renda para a cidade, assumiu a sua cadeira, tirando do cargo o suplente Reginaldo Rocha. 

CELINIO CORREA

Entre idas e vindas da política niquelandense o nome mais injustiçado não é outro, se não do vice-prefeito Celino Correa. “Ficha Limpa”, o vice-prefeito, amargou ao lado do gestor do município uma vexatória derrota no (TSE), e não por ter cometido algum crime político ou eleitoral, mas por se aliar ao prefeito “mãos sujas”, nas eleições de 2016

Os eleitores de Niquelândia escolheram Valdeto Ferreira e Celino Correa, como prefeito e vice, por acreditar que o prefeito seria de caráter tão cristalino como o seu vice. Mas o desenrolar de ações propostas na justiça contra o prefeito, levou o Tribunal Superior Eleitoral em Brasília, a taxar a enquadrar o prefeito, no rol dos políticos corruptos do Brasil, e por ter sido eleito na mesma Celino Correa, deve sofrer o mesmo dano, a perda do mandato, mas, todavia permanece “ficha-limpa”.

O ano que está se finando consagrou o vice-prefeito como um dos políticos mais dignos do município, e eleito pelo povo, como o vice, mais atuante da história do município. 

Para Celino Correa, o ano de 2017, não foi fácil, ter que lhe dar com a morte de seu pai Sebastião Correa, e também o óbito de um tio. A reportagem do portal primeiraedicao.online , tentou contato com o vice-prefeito mas não obteve sucesso, mas pelo que é narrado pelo povo, o jovem, é símbolo de esperança política para o povo de Niquelândia. 

Para alguns juristas o processo à qual responde o prefeito de Niquelândia, Valdeto Ferreira, deveiria ser desvinculado da pessoa do vice-prefeito, possibilitando assim, a moral condição eleitoral para que o mesmo assuma o comando do município. 

DEMISSÕES EM MASSA 

O ano de 2017 foi crucial para muitas famílias que dependem de serviços públicos, e neste ano que está chegando ao fim, o prefeito Valdeto Ferreira, demitiu centenas de comissionados da prefeitura, e a promessa é que já nas primeiras semanas de 2018, uma leva de secretários e comissionados irão para o olho da rua, e não serão poupados nem mesmo os servidores da educação.