Turista foi morto com tiro durante assalto a comboio que viajava para a Ilha de Margarita

17/01/2018 - 15:41 hs
Foto: (Inaê Brandão/G1 RR)
Turista foi morto com tiro durante assalto a comboio que viajava para a Ilha de Margarita
Bandidos atiraram contra veículo em movimento

Cinco pessoas foram detidas suspeitas de envolvimento na morte do turista brasileiro Amaury Castro da Silva, assassinado durante um assalto na Venezuela, informou nesta quarta-feira (17), a Secretaria de Gestão Internacional de Roraima, que acompanha o caso.

Segundo Fátima Araújo, secretária adjunta da pasta, o grupo foi detido na manhã de terça (16) em um povoado próximo ao local onde houve o crime entre as cidades de Upatah e San Félix. A informação foi repassada a ela pelo governo do estado de Bolívar.

"Me informaram que há menores entre os suspeitos e estão todos detidos na sede do Corpo de Investigação Penal e Criminalística da Venezuela, em San Félix. Eles negam participação no ato", afirmou a secretária.

O turista brasileiro foi morto na noite de sábado (12) quando viajava em comboio para a Ilha de Margarita. Ele trabalhava em uma empresa de aviação e foi enterrado na terça em Manaus.

O empresário Rainey da Silva, que coordenava a viagem com destino à Ilha de Margarita, contou que o comboio com oito carros transitava entre as cidades de Upatah e San Félix, ambas no estado de Bolívar, quando observou três homens armados na beira da estrada e dois carros.

O carro de Amaury, era o quinto da fila do comboio. O grupo de cerca de 35 pessoas viajava às 22h30 quando o assalto ocorreu. Eles usavam rádios para se comunicar durante a viagem.

"Meu carro era o segundo no comboio e vi na estrada dois homens com uma arma de pequeno calibre e o outro com uma de grosso calibre. Além disso, os dois carros tentaram me fechar. Nesse momento avisei pelo rádio a todos os carros para correr porque vi que era uma emboscada", lembrou Rainey.

Após o alerta de Rainey, os demais carros do comboio começaram a escapar, mas os amigos relataram crer que a Amaury teve dificuldade para acompanhar a velocidade dos demais.

Os disparos foram feitos com os carros em movimento. Segundo Rainey, um tiro acertou Amaury embaixo do braço esquerdo e saiu pelas costelas do lado direito. A mesma bala pegou de raspão no braço da esposa dele. O outro tiro não atingiu ninguém.

A mulher do turista executado contou aos amigos que após o tiro atingir o marido, a família parou o carro e os bandidos roubaram alguns itens e aparelhos eletrônicos.

Após o crime, o grupo de turistas chegou até a cidade de Porto Ordaz na Venezuela onde receberam auxílio de conhecidos, do governo de Roraima e do governo Venezuelano. Eles receberam escolta da polícia venezuelana para chegar até o Brasil.

"Nunca imaginei que iria passar por uma situação daquelas, colocar minha família em risco. Parece coisa de filme. Foi a última vez que fui na Venezuela. Infelizmente aconteceu uma tragédia com o nosso amigo, mas podia ser qualquer um de nós", lamentou o servidor público Sandro Lima da Silva.