Polícia Federal prende candidato suspeito de fraudar exame da OAB em Palmas

Polícia Federal prende candidato suspeito de fraudar exame da OAB em Palmas

Homem foi preso pela Polícia Federal após fazer a prova da 2ª fase do exame da OAB no lugar de outra pessoa. Ele também teria feito a primeira prova para o candidato, em novembro de 2017

22/01/2018 - 14:24 hs
Foto: (Reprodução)
Polícia Federal prende candidato suspeito de fraudar exame da OAB em Palmas
Suspeito foi preso em uma escola no centro de Palmas

Um homem foi preso pela Polícia Federal no final da tarde deste domingo (21) após fazer a prova da 2ª fase do exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para outra pessoa. A comissão responsável pela aplicação das avaliações informou que os fiscais verificaram o crime após constatarem fortes indícios do uso de documentos falsos ainda na 1ª fase do exame.

O suspeito não teve o nome divulgado, mas seria servidor do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, em São Paulo (SP). Ele foi levado para a sede da Polícia Federal, onde está prestando depoimento.

Um vídeo mostra o momento em que o suspeito foi preso pela Polícia Federal em uma escola da região central da cidade. A comissão que aplica as provas informou ainda que ele também teria fraudado a primeira fase da prova, realizada em novembro.

Conforme a Polícia Federal, o homem responde por outro crime semelhante cometido em Minas Gerais, em 2015. Ele deve ser autuado por uso de documentos falsos e será levado para a Casa de Prisão Provisória de Palmas. O candidato que contratou o suspeito também deverá responder pelo mesmo crime.

Na segunda fase do exame da OAB, aplicada neste domingo em todo o país, o bacharel em direito precisa responder quatro questões discursivas e redigir uma peça profissional. Ser aprovado no Exame de Ordem é obrigatório para que os bacharéis se inscrevam na OAB e possam atuar como advogados. Em Palmas, cerca de 290 candidatos fizeram o exame.

A Fundação Getúlio Vargas (FGV), responsável pelas provas, foi procurada pelo G1, mas ainda não respondeu.