Em final espetacular, França vence por 4x2 e leva o bicampeonato

Após 20 anos, franceses voltam a conquistar a Copa do Mundo

15/07/2018 - 19:21 hs
Foto: divulgação
Em final espetacular, França vence por 4x2 e leva o bicampeonato
Franceses comemoram um dos quatro gols na final da Copa

Moscou – Se as últimas finais de Copas do Mundo foram mornas, com jogos decididos na prorrogação, França e Croácia entraram para a história como protagonistas de um espetáculo repleto de gols. No fim, quem levou a melhor foram os franceses, que venceram por 4x2 e chegaram ao bicampeonato mundial exatos 20 anos após o primeiro título sobre o Brasil. 

Disposta a provar suas credenciais de finalista, a Croácia começou a partida em alta rotação, chegando a ter 70% de posse de bola e pressionando os franceses. Já o time do técnico Didier Deschamps, que se tornou o segundo a faturar o título como jogador e treinador, abdicava da bola para explorar o contra-ataque com Griezmann e Mbappé.

Foi uma final em dois atos. No primeiro, as bolas paradas definiram o placar. Mário Mandzukic cabeceou contra o próprio gol em cobrança de uma falta cobrada por Griezmann. A Croácia respondeu com outra cobrança de falta ensaiada, em que a bola sobrou para Perisic mandar uma bomba para o fundo das redes e decretar o empate em 1 x 1.

Gol polêmico

De todos os gols no estádio Luzhniki, nenhum foi mais polêmico do que o segundo gol francês. Após uma cobrança de escanteio em que a bola desviou nas costas de Matuidi e bateu na mão de Perisic, o juiz foi pressionado pelos franceses e decidiu rever o lance no VAR. Apesar da velocidade do lance e da completa falta de intenção do croata, Pitana checou o vídeo e deu o pênalti, convertido por Griezmann. Foi o sexto gol de bola parada da França na Rússia.

O gol de pênalti foi um golpe e tanto em uma Croácia que teve mais posse de bolas e encerrou o primeiro tempo com 7 finalizações contra apenas uma da França. O segundo tempo, então, acabou com todas as esperanças de um feito histórico do país dos Balcãs. Se as bolas paradas definiram o placar no começo, o segundo ato da partida foi de bolas rolando.

Show de Mbappé

Um dos melhores jogadores da competição, o jovem francês Mbappé brilhou na etapa complementar. Primeiro, ele deu uma arrancada digna de Usain Bolt, deixou a marcação para traz, serviu Griezmann e viu Pogba receber um passe açucarado para ampliar o placar. 

Logo na sequência, o mesmo Mbappé recebeu a bola de frente para a área e não pensou duas vezes: chutou de longe, acertou o canto direito de Subasic e se tornou o jogador mais jovem desde Pelé a marcar gols em Copas do Mundo.

Os croatas que jogaram três prorrogações seguidas não se entregaram. Mantiveram um excelente padrão de jogo, baseado na qualidade de Modic, Perisic e Rakitic, e somaram 60% de posse de bola durante o segundo tempo. 

Tanta valentia foi premiada em uma lambança de Lloris, que recebeu uma bola recuada, foi pressionado por Mario Mandzukic e entregou o segundo gol croata, decretando o 4 x 2 aos 23 minutos. Embalada por uma torcida que era maioria no estádio, a Croácia bem que tentou uma virada história, mas não deu. A França administrou a pressão e faturou o bicampeonato mundial. A festa, porém, foi coletiva. Pelo futebol apresentado durante toda a Copa e em especial na final, França e Croácia saíram de campo como campeões.