Suspeito de ter participado de assassinato de tio e sobrinha é morto em presídio de Aparecida de Goiânia

Administração Penitenciária informou que colega de cela da vítima assumiu o crime alegando que tinha inimizade com o preso

03/10/2018 - 20:56 hs
Foto: TV Anhanguera/Reprodução
Suspeito de ter participado de assassinato de tio e sobrinha é morto em presídio de Aparecida de Goiânia
Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, Goiás

O detento Edivaldo Trindade dos Santos, de 26 anos, foi morto na Casa de Prisão Provisória do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital. Ele foi detido no último dia 29 de setembro suspeito de ter participado do assassinato de João Pedro da Silva Moura, de 24 anos, e da sobrinha dele, Anny Victória da Silva Xavier, de 5 anos.

A Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP) informou que o detento foi morto na noite de terça-feira (2). Segundo nota do órgão, o preso Thiago Prado França, de 22 anos, “assumiu a autoria do crime”, alegando que os dois tinham rixas ainda fora da prisão.

De acordo com a DGAP, “os reeducandos que também estavam na cela tentaram simular um suicídio, mas após revista estrutural no local Thiago assumiu o homicídio”. O órgão disse ainda que abriu uma sindicância para apurar o caso.

Homicídio de tio e sobrinha

A vítima havia confessado participação na morte de tio e sobrinha no último dia 29 de setembro. Familiares contaram aos policiais da Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH) que João Pedro pegou Anny Victória e a irmã dela, de 7 anos, na casa da avó paterna, em Goianira, na Região Metropolitana de Goiânia, para levá-las à residência da mãe das meninas, no Jardim Primavera, em Goiânia.

Antes de chegar à residência da cunhada, três homens em duas motos abordaram João Pedro, que estava no carro dele, um Volkswagen Polo. De acordo com os policiais, o rapaz foi atingido por vários tiros. Em seguida, atiraram na cabeça de Anny Victória.

A menina foi socorrida e levada ao Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol). Em nota ao G1, a unidade de saúde informou que “apesar de todos os esforços e procedimentos da equipe multidisciplinar da unidade hospitalar”, a criança morreu no domingo (30), um dia após ser hospitalizada.

Parente dos dois, Jéssica Regina Moura disse que os tiros contra eles foram intencionais. “A pessoa que fez isso matou meu cunhado, voltou e atirou na cabeça da minha sobrinha. Eles mataram ela. Mataram todos nós”, lamentou.

Logo após o crime, policiais militares do 13º Batalhão da Polícia Militar e da Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam) localizaram Edvaldo Trindade dos Santos, de 26 anos, que foi preso e, segundo a corporação, confessou que conduzia uma das motos, mas não atirou.

“Ele utilizava tornozeleira eletrônica. O equipamento apontou que ele esteve no local no momento do crime. Policiais o localizaram e ele confessou a participação”, disse ao G1, no domingo (30), o tenente da PM Adriano Soares.

No entanto, em depoimento à Polícia Civil, Edvaldo negou ter atuado no crime. O rapaz alegou que foi pressionado a confessar participação no caso.

A Polícia Militar informou, em nota, que não há indícios de que foi obrigado a confessar.