WhatsApp bloqueia número de telefone de Flavio Bolsonaro

O filho do presidenciável Jair Bolsonaro chamou a medida de 'perseguição', mas, pouco depois, informou que o número estava liberado e nada tinha a ver com as denúncias recentes de fake news

20/10/2018 - 02:46 hs
Foto: divulgação
WhatsApp bloqueia número de telefone de Flavio Bolsonaro
WhatsApp bloqueia número de telefone de Flavio Bolsonaro

Após denunciar que teve seu número banido pelo WhatsApp, Flavio Bolsonaro, filho do candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, disse que o número voltou a ser liberado pelo aplicativo de mensagem. Ele também se preocupou em negar que o bloqueio tenha sido resultado das medidas que a empresa vem tomando contra a disseminação de mensagens irregulares de teor político.

"Meu telefone, cujo WhatsApp foi bloqueado, é pessoal e nada tem a ver com uso por empresas", escreveu no Twitter o senador eleito, que chamou de fake news a matéria da Folha de S. Paulo sobre o uso de empresas para disseminar pela internet propaganda contra o PT. "Agora já foi desbloqueado, mas ainda sem explicação clara sobre o porquê da censura", completou.

 Menos de duas horas antes, no entanto, Flavio havia postado, também no Twitter: "A perseguição não tem limites! Meu WhatsApp, com milhares de grupos, foi banido DO NADA, sem nenhuma explicação! Exijo uma resposta oficial da plataforma".

O irmão de Flavio, Eduardo Bolsonaro, também havia protestado: "Primeiro caso de banimento do whatsapp que tomo conhecimento ocorreu com o senador eleito @FlavioBolsonaro . O post que tenha motivado a punição não é informado. Se isso não é CENSURA eu não sei o que é...", disse pelas redes sociais.

Notificação

Ainda nesta sexta-feira, 19, o WhatsApp enviou notificação extrajudicial para quatro agências suspeitas de fazerem envio massivo irregular de mensagens durante o período eleitoral. 

O aplicativo determina que as mesmas parem de fazer envio e de utilizar números de celulares obtidos pela internet. Na quinta-feira, 18, o jornal Folha de S.Paulo disse que empresas bancaram uma campanha de mensagens contra o PT e Fernando Haddad com pacotes de disparos em massa.

O comportamento, segundo o WhatsApp, fere as regras do aplicativo. O envio de mensagens com conteúdo eleitoral não é ilegal. Para isso, é necessário que os candidatos entregam os telefones e uma lista de apoiadores que voluntariamente os cederam seus dados.

No entanto, há a suspeita de que as agências venderam bases de usuários de terceiros, segmentadas por região e perfil, de origem desconhecida - o que é ilegal.

"Estamos tomando medidas legais para impedir que empresas façam envio maciço de mensagens no WhatsApp e já banimos as contas associadas a estas empresas", informou em nota o WhatsApp.

*Com informações da Agência Estado