Imperdível! Conheça a história de 5 hinos da Harpa Cristã

Vencendo Vem Jesus, Rude Cruz, Porque Ele Vive, O Rei Está Voltando e Mais Perto Quero Estar

30/01/2019 - 03:53 hs
Foto: Reprodução
Imperdível! Conheça a história de 5 hinos da Harpa Cristã
Os hinos da Harpa Cristã fazem parte da história da música nas igrejas

É domingo e você sai de casa rumo à igreja. Durante o culto, o pastor convoca todos a cantarem alguns hinos da Harpa Cristã. A cena comum a muitos evangélicos remete à importante história da igreja brasileira.

Adotada como hinário oficial por muitas denominações, principalmente pelas Assembleias de Deus, a Harpa Cristã teve sua primeira versão lançada, em 1922, em Recife (PE). De lá para cá, o conjunto de hinos, elaborado inicialmente pelo missionário Samuel Nyström, passou por várias mudanças até o seu modelo atual com 640 louvores.

Ciente da importância dessas canções, o Primeira Edição separou a história de cinco de alguns dos hinos mais populares do livro.

VENCENDO VEM JESUS

Escrita em 1861, pela abolicionista americana Julia Ward Howe, The Battle Hymn of the Republic (O Hino de Batalha da República) se tornou muito popular durante a Guerra Civil Americana. A canção é inspirada na música John Brown’s Body (O Corpo de John Brown). De melodia contagiante, ela conta a história da morte de John Brown e seus filhos na tentativa de acabar com a escravidão. Ao receber a visita de seu pastor, Julia foi desafiada a escrever palavras mais apropriadas à melodia. Ela levou menos de um dia para escrever a nova versão.

A música pautou momentos importantes como a posse do presidente americano Lyndon B. Johnson, em 1963, e foi entoada nos sepultamentos do ex-primeiro ministro britânico Winston Churchill e do produtor Walt Disney. Além de ser interpretada por artistas como Elvis Presley, Johnny Cash, Whitney Houston e a banda Stryper, no Brasil a canção ganhou algumas versões nas vozes de Nelson Ned, Kleber Lucas, Shirley Carvalhaes, Lauriete e banda Oficina G3.

RUDE CRUZ

A canção se popularizou em 1998 na voz de Aline Barros. Escrita pelo reverendo americano George Bennard, The Old Rugged Cross (Rude Cruz) nasceu em 1913 enquanto ele atuava no Exército da Salvação, na cidade de Albion, em Michigan. Bennard compôs primeiro a melodia e a letra veio em resposta às suas necessidades.

Depois de ser apresentado numa grande convenção em Chicago, o hino se tornou imensamente popular em todo território americano. Além de Aline Barros, Rude Cruz foi gravada no Brasil por Fernandinho, Grupo Ellas, Rose Nascimento, Nani Azevedo e Cassiane. A música entrou incidentalmente em Culto do Calvário, de Anderson Freire.

PORQUE ELE VIVE

Because He Lives (Porque Ele Vive) foi escrita no final da década de 60 pelo casal Bill e Gloria Gaither, do Gaither Vocal Band. A música nasceu enquanto eles esperavam seu terceiro filho e Bill estava se recuperando de uma crise de mononucleose. O período foi de grande ansiedade e angústia mental para Gloria. Em véspera de Ano Novo, ela afirmou ter sentido uma paz e o pânico deu lugar à calmaria.

Após o nascimento do filho, Bill e Gloria se sentiram inspirados a escrever o que se tornaria um dos hinos mais populares do grupo. Ele foi eternizado na voz de cantores de várias partes do mundo, como Aline Barros, André Valadão e Fernandinho. Além dos eventos pelos quais passaram, os compositores também se basearam no texto de João 14:19.

O REI ESTÁ VOLTANDO

Uma das mais belas canções sobre o arrebatamento, The King is Coming (O Rei Está Voltando) também tem ligação com o Gaither Vocal Band. Escrita no final dos anos 70 por Bill e Gloria, a história é contada em detalhes no livro Something Beautiful. A autora relata que a ideia surgiu durante um jantar com o marido e os amigos, Chuck Millhuff e Jim Bohi. Os dois evangelistas compartilharam sobre um sermão que ouviram de Jim Crabtree acerca da volta de Cristo e de como ele gritava “O Rei está voltando! O Rei está voltando!”.

Depois que os amigos foram embora, Gloria e Bill continuaram a conversar. Eles queriam uma música com um “cenário musical que seria algo simples e grandioso como uma procissão de coroação”. Ao piano, Bill começou a compor a melodia enquanto Gloria escreveu a letra. No livro, ela conta que após escrever, sentiu-se gasta e tremendo de excitação. Ao levar as palavras para o marido, ele imediatamente tocou e as cantou “ajustando-as como uma luva para a música que ele estava ouvindo”.

Além de incorporar a Harpa Cristã na versão mais atualizada, O Rei Está Voltando foi gravada por vários artistas como Ozéias de Paula, Luiz de Carvalho e Mara Lima. Em 2001, a Banda & Voz lançou uma versão da música no CD Banda & Voz e Amigos – Corinhos Insquecíveis 2, com participação de Marina de Oliveira.

MAIS PERTO QUERO ESTAR

Escrita pela poetisa inglesa Sarah Flower Adams, Nearer, My God, to Thee (Mais Perto Quero Estar) é lembrada até hoje por ter sido a canção tocada pelos violinistas enquanto o Titanic afundava. Baseada no texto de Gênesis 28:11-19, o hino foi escrito em 1841.

A música era a favorita do presidente americano William McKinley, assassinado em setembro de 1901. Em suas últimas palavras, ele citou as primeiras linhas do hino. Ele também foi tocado nos funerais dos ex-presidentes James Garfield, Warren G. Harding e Gerald R. Ford.

Além de já ter sido cantada no Brasil nas vozes de Nívea Soares, Anderson Freire, Sarah Farias, Gerson Rufino e Thalles Roberto, a música figurou até mesmo na cultura pop. Nearer, My God, to Thee deu título a um episódio da terceira temporada da série Homicide: Life on the Street. A música também serve de trilha sonora para um dos episódios da série Orphan Black.