Damares nomeará 'ex-feminista' na Secretaria Nacional da Mulher

Sara Winter milita contra o aborto e liderou ato a favor de Bolsonaro nas eleições; nas redes sociais, ela afirma que cuidará de 'políticas públicas para a maternidade'

09/02/2019 - 01:13 hs
Foto: Uanderson Fernandes/Agência O Globo
Damares nomeará 'ex-feminista' na Secretaria Nacional da Mulher
Sara Winter participa de congresso antifeminista no Rio de Janeiro

BRASÍLIA - A ministra da Família, Mulher e Direitos Humanos, Damares Alves, prepara a nomeação da "ex-feminista" Sara Winter para a Secretaria Nacional da Mulher. A jovem de 26 anos ficou conhecida por ter fundado no Brasil, em 2012, uma filial do grupo feminista ucraniano Femen e liderado manifestações de mulheres de topless . Após se tornar cristã, Winter passou a se declarar antifeminista e militar contra o aborto. Ela também prega contra a homossexualidade.

Durante as eleições de outubro, a ex-militante organizou, no Rio, um ato em favor do então candidato Jair Bolsonaro como uma resposta às manifestações do #EleNão. Na ocasião, ela concorria a uma vaga de deputada federal pelo DEM.

No tempo de militante feminista, Sara saiu às ruas com #ForaBolsonaro pintado nos seios. Em maio de 2016, no entanto, ela anunciou "a parceria política" com o então deputado federal. Na ocasião, Bolsonaro gravou um vídeo ao lado dela dizendo que a ex-feminista estava "curada."

A biografia de Winter, publicada em seu site, diz que "a escritora militava contra o cristianismo, em favor da homossexualidade e do aborto." Após ter um filho em 2015, Winter escreveu o livro digital "Vadia, não! Sete vezes que fui traída pelo feminismo", no qual se propôs a contar os bastidores do movimento de mulheres no Brasil.

"Atualmente, é uma das maiores lideranças pró-vida e pró-família do Brasil, luta contra o aborto, a ideologia de gênero, as drogas, a doutrinação marxista, contra a jogatina e a prostituição", diz o texto biográfico.

Winter, agora, se anuncia como uma "ativista pró-vida" e pede ajuda financeira para ajudar "a salvar bebês da monstruosidade do aborto". "Prefiro ser um instrumento de Deus a um instrumento da esquerda", diz em seu site.

'Oportunidade de aprendizagem'

Enquanto aguarda a publicação do seu nome no Diário Oficial da União, Winter já tem frequentado o Ministério da Família, Mulher e Direitos Humanos. Nesta sexta-feira, dia 8, ela esteve no local acompanhada do noivo.

Procurada pela reportagem, a pasta comandada pela ministra Damares ainda não se manifestou.Em sua página no Facebook, a ex-militante feminista publicou uma nota confirmando que assumirá um cargo na Secretaria Nacional da Mulher, que será comandada pela ex-deputada federal Tia Eron. Sara afirmou que cuidará de "políticas públicas para a maternidade".

Sara Winter, que em suas redes sociais já chamou Damares "de segunda mãe", disse ainda que a indicação para o cargo não se deve à sua relação pessoal com a ministra. A ex-militante observou que não é a primeira vez que Damares lhe dá uma oportunidade de aprendizagem. 

"Todos sabem que eu sou muitíssimo próxima da ministra, mas nenhuma contratação está sendo feita com base em amizades ou indicações. As primeiras semanas de atividade ministerial foram dedicadas, entre outras coisas, a entrevistar candidatos e análises de curriculum", escreveu.