Bitcoin: “É melhor comprar o máximo possível enquanto ninguém se importa”, diz bilionário

Descubra tudo sobre o investimento fenômeno que apenas em 2017 teve rendimento superior a 1.300%. Saiba como aproveitar uma das maiores altas da história sem cair em armadilhas na internet

25/02/2019 - 02:24 hs
Foto: imagem divulgação
Bitcoin: “É melhor comprar o máximo possível enquanto ninguém se importa”, diz bilionário
Analista prevê bitcoin a R$ 8,5 mil
O bilionário chinês, Zhao Dong, um dos maiores investidores de bitcoin do mundo, disse que agora é a hora de comprar bitcoin e segurá-lo com paciência. Segundo o site local 8btc, Zhao fez o comentário em um bate-papo na rede social Wechat na terça-feira (12).

Durante a conversa, o investidor disse que 2019 é um ano para começar a juntar bitcoin para a ‘primavera das criptomoedas” que deve chegar em 2020 e, consequentemente, colher os frutos no ‘verão das criptomoedas’, que, segundo ele, chegará em 2021.

Os dois termos são uma alusão ao ‘inverno das criptomoedas’ (‘crypto-winter’ em inglês), uma frase que foi popularizada em 2018 para se referir ao longo período de baixas no mercado.

O bilionário disse que ninguém está se preocupando com o bitcoin hoje e que a criptomoeda só será notada quando novamente alcançar um preço de “muitas dezenas de milhares de dólares”.

“Se você e eu acreditamos no futuro do bitcoin, então é melhor manter o máximo possível enquanto ninguém se importa”, acrescentou.
O bitcoin, que se mantém em próximo dos US$ 4.000 desde novembro do ano passado, perdeu cerca de 80% em valor nos últimos 14 meses.

Analista prevê bitcoin a R$ 8,5 mil

Enquanto Zhao já previu que o bitcoin chegaria a US$ 50 mil (R$ 190 mil) até 2021, recentemente a Fundstrat Global Advisors publicou uma análise gráfica demonstrando que a criptomoeda poderia cair até US$ 2.270 (cerca de R$ 8,5 mil).

A empresa tem como cofundador e analista Tom Lee, conhecido por suas análises e previsões de preço para o Bitcoin.

Lee havia previsto que o preço do Bitcoin iria atingir US$ 25 mil até o final de 2018, cerca de R$ 90 mil. A queda de novembro levou o analista a reduzir sua previsão para US$ 15 mil. No entanto, contrário às projeções, a criptomoeda fechou o ano perto de US$ 3.800.

2019 não aliviou o mercado, que continuou em queda, tendo entrado em um dos períodos mais longos de baixa da história das criptomoedas.

Em um e-mail à Bloomberg, a empresa de pesquisa de mercado disse que o bitcoin poderia continuar caindo caso ultrapasse a marca de US$ 3.100.

Nos últimos dias, porém, o Bitcoin voltou a mostrar um leve otimismo e é negociado próximo aos US$ 4.000 novamente. (Com conteúdo do Portal do Bitcoin)