'Os policiais estão em luto com a traição do Bolsonaro e do PSL', diz delegado da PF

Agentes de Segurança Pública sofreram derrota em votação da Comissão Especial sobre a Reforma da Previdência

04/07/2019 - 21:04 hs
Foto: Julio Franca/ ADPF
'Os policiais estão em luto com a traição do Bolsonaro e do PSL', diz delegado da PF
Presidente da ADPF em ato a favor da aposentadoria policial -

Após a derrota sofrida pelas carreiras de Segurança Pública na votação da Reforma da Previdência na Comissão Especial, nesta quinta-feira, os policiais federais e outras categorias correlatas estenderam as críticas que faziam ao presidente Jair Bolsonaro aos parlamentares do PSL. Os deputados votaram contra os destaques que suavizavam as regras para a aposentadoria dos agentes.

"Os policiais do Brasil estão em luto hoje com essa traição do Bolsonaro e do PSL. Eles foram eleitos com a nossa bandeira, a da Segurança Pública, e nos traíram", declarou ao DIA o presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), Edvandir Paiva. 

Ele e outros representantes das carreiras de Segurança Pública acompanharam a votação do texto básico da reforma, elaborado pelo relator Samuel Moreira (PSDB-SP) e os destaques do Podemos e do PSD que abrandavam os itens relativos aos agentes.

A ideia agora é continuar a articulação com o Legislativo para que o tema volte como destaque no plenário da Câmara. "Vamos continuar nos mobilizando e correndo atrás de votos", disse Paiva. 

Os policiais federais, rodoviários federais, agentes da Abin, inspetores penitenciários e outros pedem as mesmas regras que o governo propôs aos militares das Forças Armadas em projeto de lei à parte. 

Reivindicam direito à integralidade e paridade e uma regra de transição equivalente à dos militares — um pedágio de 17% sobre o tempo que falta para a aposentadoria. 

Como são as regras hoje

Atualmente, para os agentes se aposentarem com benefício integral, não é exigida idade mínima, mas 30 anos de contribuição e 20 anos, no mínimo, na função policial. E a PEC 6 (da Reforma da Previdência) prevê a integralidade às carreiras, desde que os profissionais tenham, no mínimo, 55 anos de idade e 40 de contribuição, além de 25 anos no cargo. (Com conteúdo de O Dia).