Demitida após subir Palmeiras com 100% no Brasileiro, técnica desabafa: "Não dá para entender"

Ana Lúcia Gonçalves deixou a equipe feminina dois dias após garantir vaga na primeira divisão

25/07/2019 - 01:08 hs
Foto: Fabio Menotti/Ag. Palmeiras
Demitida após subir Palmeiras com 100% no Brasileiro, técnica desabafa:
Ana Lúcia Gonçalves foi demitida do Palmeiras por "incompatibilidade"

O time de futebol feminino do Palmeiras conquistou o principal objetivo do ano: subir à primeira divisão do Campeonato Brasileiro. E com uma campanha impecável: nove vitórias, 100% de aproveitamento, 40 gols marcados e apenas um sofrido. Mas nem isso foi suficiente para manter a técnica Ana Lúcia Gonçalves no cargo. Ela foi demitida dois dias depois do acesso e disse não entender o motivo da saída.

– Fui surpreendida. O coordenador (Alberto Simão) me chamou na sala de reuniões. Tinha dois representantes do Palmeiras, um do RH e outro do financeiro. Ele disse que eu estava demitida por incompatibilidade e saiu da sala. Não houve absolutamente nada (de explicação), foi só isso. Não dá para entender, é surpreendente – afirmou.

A criação do time feminino se deu após parceria entre o Palmeiras e a prefeitura de Vinhedo, em fevereiro deste ano. Ana Lúcia foi uma das responsáveis por liderar o projeto, com a montagem da comissão técnica e do elenco. Ela disse que o clima sempre foi bom e definiu como "traumatizante" a despedida das atletas.

– Era um clima muito bom, saudável, tranquilo, uma comissão muito forte. Tivemos que correr atrás do tempo. Meu perfil é de trabalho físico e elas (jogadoras) estavam muito abaixo, paradas há mais de quatro meses. Elas abraçaram o planejamento, a ideia. Infelizmente, não tem o que fazer.

– A despedida com as atletas foi traumatizante, elas estão abaladas, não entendem o que aconteceu. O que falam para elas é o mesmo que falaram para nós – explicou.

Um dia depois da saída da treinadora, o Palmeiras anunciou Ricardo Belli como novo comandante. Sem propostas até o momento, Ana Lúcia revela que continuará com o desafio de fazer o futebol feminino crescer e que deixa um legado muito importante para a categoria no clube.

– Tenho um desafio pessoal com o crescimento da modalidade. Ainda não surgiu nenhuma proposta. É um legado muito importante, saímos do zero, não tínhamos nada. Deixamos uma equipe muito forte, com conceitos táticos bem definidos, uma equipe bem preparada fisicamente e taticamente. A maior dificuldade, agora, será a parte psicológica – completou.

Já com o novo técnico, o time feminino do Palmeiras volta a campo neste domingo, contra o São Paulo, pelo primeiro jogo da semifinal pela Série A2 do Campeonato Brasileiro. A partida acontece às 14h, no Pacaembu.

* Colaborou sob supervisão de Murilo Borges (Com conteúdo do G1).